Logo mundo invest

Ciclos de mercado: Como escolher o tipo de Renda Fixa certa para o momento

Voltar

por Bruno Destri Coelho

Criador de Conteúdo | Assessor de Investimentos

Renda Fixa
Macroeconomia
Avançado

Ciclos de mercado: Como escolher o tipo de Renda Fixa certa para o momento

Muitos investidores possuem várias dúvidas na hora de investir em Renda Fixa. Existem momentos que são muito mais oportunos comprar um título Pré-fixado, Pós-Fixado ou Híbrido? 

Se você não entendeu essa pergunta, volte um step atrás para entender quais são os tipos de renda fixa no mercado hoje clicando aqui.

Em regra geral, nós podemos aproveitar certos momentos para lucrar ainda mais com os títulos de Renda Fixa. Para isso precisamos entender a lógica por trás disso.

Os ciclos de mercado impactam diretamente o nosso cotidiano, seja na hora de comprar alguma coisa como também em nossos investimentos. Mas afinal, como escolher o tipo de Renda Fixa certa para o momento?

Antes de tudo…

O que é Bull Market e Bear Market?

Como na vida, o mercado financeiro também é composto por ciclos! Majoritariamente podemos classificá-los em um viés de alta ou de baixa. Para os amantes de Wall Street, podemos chamá-los também de Bull MarketMercado em alta ou Bear MarketMercado em baixa.

Ambos ciclos de mercado possuem características que podemos identificar o momento pelo qual estamos passando.

O Bull Market normalmente é caracterizado por um viés de alta na economia. Sua principais características são: 

  1. alta na bolsa de valores
  2. moeda nacional valorizando
  3. taxa básica de jurosSelic estável, 
  4. Inflação controlada 
  5. otimismo por parte dos investidores.

Já o Bear Market indica um viés de baixa na economia. Desse modo, as principais características do Bear Market são: 

  1. queda na bolsa de valores
  2. instabilidade cambial
  3. inflação alta
  4. taxa básica de juros crescente
  5. medo por parte dos investidores.

No mercado financeiro é comum ouvirmos essas expressões. Existem diversas histórias por trás da origem de cada uma delas. Uma delas é em relação a como ambos os animais atacam suas presas na natureza. O Urso ataca de cima para baixo, já o Touro de baixo para cima.

ciclos de mercado

Qual é a melhor Renda Fixa para cada momento?

Uma dúvida muito constante dos investidores em geral é sobre qual o momento ideal para investir em cada tipo de título de Renda Fixa. Neste blog vamos abordar um tipo de estratégia para você se beneficiar das flutuações do mercado.

Antes de tudo gostaria de deixar uma frase muito famosa atribuída ao financista londrino Nathan Rothschild:

 “Compre ao som dos canhões, venda ao som dos violinos”. 

Em resumo, o que o financista quer nos ensinar é uma estratégia do mercado financeiro de compra quando o mercado está turbulento (Bear Market) e de venda quando está tranquilo (Bull Market). Sem mais delongas, vamos para a prática!

Para recapitular, existem 3 tipos de Renda Fixa: 

  1. Renda Fixa Pós-fixada: por exemplo, 120% do CDI
  2. Renda Fixa Pré-fixada: ex. 12% ao ano
  3. Renda Fixa Híbrida: ex. IPCA + 5%

Qual é o momento ideal para comprar Renda Fixa Pós-fixada e Pré-Fixada?

O melhor momento para comprar renda fixa pós fixada é o momento que a taxa básica de juros (Selic) está em baixa. Para obter maior rentabilidade em um pós-fixado, o investidor espera que a taxa SELIC suba em um horizonte de médio prazo. 

Vamos criar cenários para entender melhor.

Imagine que hoje estamos com as seguintes variáveis: 

Cenário atual

Selic hoje: 6% 

Investimentos disponíveis no momento:

Pós-Fixado 120% do CDI

Quanto renderia esse investimento? 6% * 120% = 7,2% ao ano (aproximadamente)

Pré-Fixado: 8% a.a.

Cenário 1:
A Selic sobe para 12%.

Nesse caso, o investidor que contratou o pós-fixado de 120%, passa a ter uma rentabilidade de 14,4% ao ano aproximadamente (120% de 12%), gerando uma valorização sobre a rentabilidade do seu investimento.

Já o investidor que contratou o pré-fixado (8% a.a.) teve uma desvalorização de seu título, visto que a taxa básica de juros está superando sua rentabilidade.

Cenário 2:
A SELIC cai para 2%.

Nesse caso, o investidor que contratou o pós-fixado de 120%, passa a ter uma rentabilidade de 2,4% ao ano aproximadamente. (120% de 2%), gerando uma desvalorização sobre a rentabilidade de seu investimento

Por outro lado, o investidor que contratou o pré-fixado (8% a.a.) teve seu título valorizado por conta da diferença entre a taxa básica de juros e a taxa de seu título ter aumentado. 

Como prever a Selic

Em termos de Brasil, historicamente nossa Selic tende a estar em um patamar próximo a 10% (segundo os dados históricos). Contudo, existem algumas características que podemos nos atentar para antecipar uma alta ou baixa na taxa de juros.

Sinais que a taxa Selic pode subir (válido apenas para o Brasil):

  • Taxa Selic abaixo de 4%
  • Inflação em alta (maior que 7%)
  • Início de pessimismo por parte dos investidores

Sinais que a taxa Selic pode cair (válido apenas para o Brasil):

  • Taxa Selic acima de 12%
  • Inflação controlada (abaixo de 2%)
  • Início de otimismo por parte dos investidores

Qual o momento ideal para comprar os títulos Híbridos?

De maneira geral os títulos híbridos possuem taxas atrativas em todos os momentos de mercado. Contudo, a grande maioria das Rendas Fixas Híbridas possuem suas taxas variáveis atreladas ao IPCAÍndice de inflação medido pelo IBGE.  

Desse modo, seguindo a lógica da estratégia, em um momento de baixa inflação você encontrará boas taxas que trarão ótimos resultados e uma valorização do título em caso de alta do índice IPCA.

Em resumo

Vale a pena ressaltar que com a Renda Fixa em nenhum momento você irá perder, apenas ganhará menos. Essas estratégias foram elaboradas para potencializar sua rentabilidade e sem perder a segurança. 

Para muitas pessoas pode não parecer tão simples identificar as tendências de mercado, pensando nisso, você pode utilizar a plataforma logada Mundo Invest para identificar maiores oportunidades de forma simples, gratuita e com auxílio de um profissional.

Fale com o Bruno

Criador de Conteúdo | Assessor de Investimentos

Economista em formação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Hoje com 21 anos, Bruno é um dos criadores de conteúdo da equipe do Mundo Invest. Ele é responsável pela elaboração de posts para nosso Instagram, como também pela criação dos ebooks e blogs da nossa plataforma.

CNPJ 31.630.299/0001-91