Fundos de Investimento

 O que são Fundos de Investimento?

Os Fundos de Investimento são simplesmente uma modalidade de investimento coletivo.
É uma comunhão de recursos, constituído sob forma de condomínio, destinado a aplicação em ativos financeiros.

 

Para o Fundo ter uma maior legitimidade, ele deve ser registrado na CVM (Comissão de Valores Mobiliários) – que pode ser considerado como o Banco Central dos ativos financeiros, que é o órgão  que regulariza a sua operação, trazendo maior segurança para o investidor e para os outros participantes do mercado financeiro.

Quais são os tipos de Fundos de Investimento?

  • Fundos abertos:
    São Fundos em que os cotistas podem solicitar o resgate de suas cotas conforme estabelecido em seu regulamento. Normalmente os cotistas podem solicitar o resgate de suas cotas a qualquer tempo. Isso ocorre, pois o número de cotas do Fundo é variável, e então acontece da seguinte forma:
    Quando o investidor faz a aplicação, novas cotas são geradas, e o administrador compra ativos para o Fundo; e quando o investidor solicita o resgate da aplicação, as suas cotas desaparecem, e o administrador é obrigado a vender ativos para pagar o resgate. Por isso que é normal ter ativos de maior liquidez nesse tipo de Fundo, e esses são os Fundos mais procurados pelas pessoas que querem investir, mas que não querem se comprometer em deixar essa aplicação sem poder fazer movimentações quando quiserem.
  • Fundos fechados:
    Nesse tipo de Fundo, as cotas só podem ser resgatadas ao término do prazo de duração do Fundo ou se acontecer um eventual liquidação do mesmo. Além disso, tem também a possibilidade desse resgate acontecer antes do previsto se caso a assembléia geral dos cotistas.
    Esses Fundos tem um prazo de vida pré-determinado e o cotista somente recebe a sua aplicação de volta após haver decorrido este prazo. Se o cotista quiser seus quiser seus recursos antes desse período, ele deverá vender as suas cotas para algum outro investidor que esteja interessado em ingressas no Fundo.
  • Fundos restritos:
    Já os Fundos que são classificados como “restritos” são aqueles constituídos para receber investimentos de um grupo restrito de cotistas, onde são normalmente membros de uma única família, ou empresas de um mesmo grupo econômico.
  • Fundos exclusivos:
    Os Fundos que são considerados “exclusivos” são feitos para receber aplicações exclusivamente de um único cotista. Somente investidores profissionais podem ser cotistas de Fundos exclusivos. Este não é um tipo de Fundo comum de se achar, mas o importante é você saber que existe esse tipo de Fundo.

Agora, nós separamos os tipos de Fundos mais populares:

  • Fundos de Investimento de Renda Fixa:
    Para um Fundo ser classificado como de Renda Fixa, ele deve ter como principal fator de risco a variação da taxa de juros e/ou índice de preços. O gestor deste tipo de fundo deve aplicar 80% de seus recursos em investimentos de renda fixa.
  • Fundos de Investimento de Ações:
    Para fazer parte dessa classe é necessário que façam investimentos de no mínimo 67% do seu patrimônio em ações, valores mobiliários relacionados a ações ou cotas de outros fundos de ações.
  • Fundos de Investimento Multimercado: 
    Esta classe de fundo é o que menos têm exigências e políticas, garantindo, assim, maior liberdade de atuação do gestor para melhorar sua rentabilidade.
  • Fundos de Investimento Cambiais: 
    Os fundos cambiais precisam manter pelo menos 80% de seu patrimônio investido em ativos relacionados à variação de preços de uma moeda estrangeira, ou a uma taxa de juros denominada Cupom Cambial.

E, atualmente, tem um tipo de Fundo de Investimento que está sendo muito falado de maneira positiva no mercado:

  • Fundo de Investimento Imobiliário: 
    De maneira geral, os FII, são grupos de investidores que têm como objetivo conseguir retorno pela exploração de locação, arrendamento, venda de imóvel e demais atividades. É quase um investimento em imóveis, sem ter que passar por alguns riscos e burocracias. Clique aqui para saber mais sobre esse tipo de investimento!

 

 

Mas com toda essa estrutura, como o Fundo de Investimento ganha dinheiro?

Existem taxas que tem como objetivo pagar toda essa operação do Fundo, como salários, estrutura física, entre outros, sendo que, algumas dessas taxas são obrigatórias e outras não:

 

TAXA DE ADMINISTRAÇÃO: É um percentual pago pelos cotistas de um Fundo para remunerar todos os prestadores de serviço. É uma taxa obrigatória, e expressa ao ano e deduzida diariamente.
*Lembre-se: Quando você vê uma rentabilidade que foi divulgada pelos Fundos de Investimento, ela é sempre a rentabilidade líquida de taxa de administração

TAXA DE PERFORMANCE: Essa é outra taxa cobrada quando a rentabilidade  do Fundo supera um indicador de referência. Alguns fundos cobram essa taxa e a cobrança dela é feita após a dedução de todas as despesas, inclusive da taxa de administração. Ela é expressa semestralmente e a metodologia usada para verificar a performance é a Linha d’agua.

TAXA DE INGRESSO OU DE SAÍDA: Essas taxas não são tão comuns, principalmente nos Fundos de Investimentos que estão no Brasil, mas é importante você saber para não levar nenhum susto caso apareça essa taxa em um regulamento do Fundo que pretende investir. Elas são cobradas na aquisição de cotas do Fundo ou quando o investidor solicita o resgate dessas cotas. Normalmente a taxa de saída é cobrada quando existe um prazo de carência e o investidor precisa resgatar a sua aplicação antes desse prazo.

 

E por fim, não poderia faltar!
Quais são as vantagens de investir em Fundos de Investimento?

  1. Diversificação: Carteira diversificada de ativos a um valor acessível.
  2. Gestão personalizada: Condições para tomadas de decisões efetivas.
  3. Liquidez: O cotista pode resgatar as suas cotas com rapidez.
  4. Praticidade: O cotista não precisa acompanhar a liquidez dos ativos do Fundo de Investimento.
  5. Redução do custo de corretagem: Os custos são divididos entre os cotistas.
Compartilhe isso: